Radar Musical [Choice]

Posted: sábado, 15 de maio de 2010 by Radar - Pescador de Homens in Marcadores:
7

 
Dessa vez o nosso radar atravessou fronteiras e trouxe até vocês a Banda Choice, de Valinhos -SP.

                                                
                                 

       
         
          Para manter-se na cena independente é necessário compromisso e bastante dedicação. Trata-se de um meio onde poucas bandas conseguem sobreviver. No caso da Banda Choice, o compromisso ultrapassa as barreiras musicais. Na ativa desde 2008, continuam firme na dura jornada que é fazer rock em terras brasileiras.
          Com letras próprias e fazendo um som que transita entre o hardcore e o rock alternativo, conquistaram espaço no cenário underground da região e tocaram por várias cidades do estado de São Paulo. Após a consolidação da atual formação e o posterior lançamento de três músicas no myspace, ganharam admiradores em vários locais do país.
          Embora muito jovens - nenhuma chegou sequer aos 20 anos - as meninas são exemplo de consciência e convicção naquilo que fazem: levar a palavra de Deus através da música.


Quem responde algumas perguntas e fala um pouco mais sobre a banda é a vocalista Gela.


Pra deixar a galera por dentro, fale-nos um pouco sobre o início da banda, a formação atual e a proposta de vocês.
          A Choice tem dois anos e meio de existência e surgiu de um sonho em comum que já estava em cada uma, que apenas precisou se encontrar. Atualmente a banda conta com quatro fêmeas: Tata na guitarra, Gela no vocal, Alline no contra-baixo e Priscila na bateria. O nome e a proposta da banda estão interligados: "Escolhe pois a vida, para que vivas". Choice em inglês significa escolha e o propósito da banda é gritar essa Verdade, uma razão de existência: Cristo. E isso não se envolve com religiosidade de maneira alguma.

Como é o processo de composição?
         Normalmente a idéia primordial da música vem de apenas uma pessoa da banda. Ela traz um rascunho, uma proposta e quando nos unimos trabalhamos em cima da idéia de tal forma que a música sempre acaba pegando um pouquinho de cada uma de nós.

Já sofreram algum preconceito dentro da igreja pelo estilo de vocês?
          Sim, com certeza. Pais, líderes, religiosos. Como havia dito, a banda busca rasgar a voz para que pessoas sejam transformadas e por isso tocamos em lugares, convivemos com pessoas que não agradam esse sistema religioso e por conta disso não agradamos os tradicionais. Não fazemos isso por nós, pela nossa fama, por agradar a alguém. Ao contrário, fazemos isso para a glorificação de Deus, e só o obedecemos. A partir do momento que esse objetivo mudar ou perder o gosto não irá existir mais Choice.

Como é a cena do Rock Cristão aí em Valinhos?
          A cena do rock cristão aqui não é tão abrangente, porém, estamos localizadas em um bom lugar: entre Campinas e São Paulo, o pólo para bandas crescerem. A cena cristã tem crescido muito na região, mas ainda assim, poucos dão a cara para bater pela sua fé.

O cenário do Rock é formado em sua maioria por homens. Como é pra vocês, meninas, lidarem com essa "concorrência"? Existe preconceito?
         Nunca enxergamos isso como concorrência, ao contrário, por estarmos envolvidas e termos amigos nesse cenário anteriormente foi bem mais fácil para nós. Não vejo preconceito, vejo sim diferenças. Não adianta dizer que não, uma banda feminina nunca vai ser masculina. E esse toque de mulher que torna a banda diferente. O tempo e o aperfeiçoamento caminham juntos, mas as fêmeas vão ser sempre fêmeas e vão tocar o que elas são e querem dizer, e nunca buscar uma comparação.

Quais são os planos futuros?
         Ouvir a voz de Deus. É muita responsabilidade levar a Verdade. Precisamos a ter dentro de nós e entender que toda a culpa de pessoas caminharem para a condenação é nossa. O sangue delas está em nossas mãos. Abrir os olhos independe de nós. Nós só somos o caminho inútil e não estamos fazendo nem o mínimo. O resto é com God...

Deixe um recado pra galera que acompanha o radar ph
         Ter uma banda por dinheiro, fama, diversão é vazio. Não adianta discordar. Um dia tudo isso se esvai por entre os dedos. Nós integramos a banda com um porquê de respirar. Não fazemos isso por nós, pelo nosso bel prazer, pelo nosso egoísmo. A diversão virou uma consequência apenas para algo muito mais intenso que pulsa dentro de nós.


Radar Musical [Pump]

Posted: sábado, 1 de maio de 2010 by Radar - Pescador de Homens in Marcadores:
3

          Hardcore melódico, algumas pitadas de Punk Rock, riffs cuidadosamente elaborados, uma linha vocal bem encaixada e marcante. Essas são algumas das características da banda pernambucana Pump. Na ativa há mais de três anos, acabam de lançar seu primeiro EP – Nunca Desista.
          Tocando letras de temática cristã, a Pump já dividiu palco com bandas conhecidas nacionalmente, como Dead Fish, Dominatrix, Sugar Kane e Tribo de Jah. Recentemente deram entrevista para MTV, em um programa sobre meninas no hardcore. Neste momento preparam-se para sua primeira turnê pelo sudeste, em maio.



Através de um bate-papo com a Vocalista e Guitarrista, Francielle Amaral, você conhece um pouco mais sobre a Pump.


Fale um pouco sobre o início da banda.
Bom, a banda surgiu em 2007. Rafaela (bateria) e eu já tocávamos juntas em outra banda que acabou se transformando na PUMP. Depois entrou Fanny (guitarra) e por último Carla (baixo/backing vocal), completando nossa atual formação. O nome Pump significa impacto, explosão, é mais ou menos o que a gente quer causar!

Como é a cena do Rock em Pernambuco?
A cena daqui é meio confusa. Existe muita disputa interna entre as bandas, o que atrapalha bastante o meio. São poucas as bandas que se propõem unir com outras. Mas sempre que convidadas estamos presentes e às vezes organizamos alguns eventos também.

Embora composta por evangélicas, existem alguns questionamentos sobre a Pump ser ou não uma banda cristã. Explique o que é verdade, o que é apenas boato e o porquê de haver essa dúvida.
Vou explicar: Rafa, Carla e eu somos cristãs protestantes, de igrejas evangélicas. Fanny é católica. Somos uma banda que não se rotula gospel, não gostamos muito deste termo, mas respeitamos quem adere. Não vamos subir no palco e fazer pregações, temos uma fé em comum e é natural que ela chegue às pessoas através de nossas letras e de nossas atitudes. Muitos perguntam, ficam curiosos e até decidem conhecer nossa religião por causa disso. Somos cristãs SIM, mas não somos uma banda GOSPEL.

Falando nisso, não podemos deixar de destacar que vocês conquistaram o respeito de um público diversificado, independente de rótulos. Já rolou algum preconceito por vocês serem cristãs?
Que eu me lembre não. Preconceito de fato não. Algumas pessoas se surpreendem, pois têm uma “imagem de crente" bem diferente. Mas conseguimos respeito em todos os lugares aonde vamos porque sabemos respeitar os outros.

A Pump conseguiu o que pra maioria das bandas independentes é apenas um sonho distante: patrocínio. Como foi que aconteceu? Qual é a relação da patrocinadora com vocês?
Pois é, a Mylly´s tem dado um super apoio à banda. Foi meio que na cara de pau(risos). A gente mostrou umas músicas e fotos e a empresa achou interessante nos ter representando sua imagem. Fizemos uma participação em um ou dois eventos da empresa informalmente, então ambos decidimos fechar um contrato de apoio. Tem sido muito bom, a marca é super legal e combina bastante com nosso estilo.

Uma banda de hardcore, feminina e nordestina deve sofrer alguns preconceitos. Como lidam com isso?
Até que não, o preconceito das pessoas fica até a hora de subirmos no palco. Não queremos ser mais uma banda de meninas que toca só porque é diferente ver mulher tocar. Queremos ser reconhecidas pela nossa música e pela qualidade dela.

Quais os planos/metas pro futuro? É verdade que vocês tem uma turnê no sudeste ainda esse semestre?
Vários planos e metas (risos), mas ainda no papel. Vamos tocar no ladysfest em São Paulo. Serão quatro dias de festival e estamos super empolgadas. Uma coisa que ainda não tínhamos feito era ir ao sudeste. Estamos fechando também outros shows por lá, além do festival. Acho que vai ser muito bom.

Como enxergam iniciativas como a do Radar Ph? Deixe um recado pro pessoal que acompanha o blog.
Muito legal! Hoje em dia tudo funciona pela internet. É muito bom ter um lugar onde as pessoas possam conhecer um pouco mais do nosso trabalho e dos nossos pensamentos. Um super abração prá todos que acompanham o blog, muito sucesso pra todos e até a próxima.